Cantando o Cerrado vivo

O projeto Alfabecantar: cantando o Cerrado vivo tem origem em 2012 no âmbito do Núcleo Takinahaky de Formação Superior Indígena da Universidade Federal de Goiás. É desenvolvido de maneira colaborativa por pensadorxs, docentes, músicos, musicistas, indígenas e não indígenas. Busca problematizar e propor materiais didáticos e paradidáticos para uso em escolas indígenas (e não indígenas), elaborados a partir de outras bases epistêmicas, relacionados aos campos do multiletramento e da interculturalidade crítica. Desta maneira colabora para a superação de antiga lacuna (ainda presente) no campo da educação escolar indígena, qual seja a da produção de materiais didáticos contextualizados. Da mesma forma, busca gerar reformulações curriculares profundas para que o currículo das escolas indígenas tenha como base distintas epistemologias, particulares a cada povo originário. Busca promover, igualmente, um amplo processo de interaprendizagem entre as pessoas envolvidas, e entre elas e seus territórios. 

Os materiais apresentados aqui seguem também o processo de efetivação de novas práticas pedagógicas musicais e de reformulações curriculares efetivadas por professoras e professores Krahô e Apinajé, povos originários Timbira do Brasil Central. Os Timbira, falantes de línguas Jê, são constituídos, ainda, pelas populações Krikati, Gavião Pykobjê, Gavião Parkatejê, Canela Apanjekra e Canela Ramkokamekra, e vivem em seus territórios entre o nordeste do Tocantins e o sul do Maranhão, estendendo-se até o Pará.

A coleção Alfabecantar: cantando o Cerrado vivo busca refletir, portanto, sobre as possibilidades e condições de práticas pedagógicas musicais e decoloniais na escola e além dela, e estimular a construção de novas matrizes curriculares, pautadas nas potencialidades presentes nos conhecimentos dos povos originários, que articulando-se a outros saberes, podem colaborar na construção de outras escolas. Busca também colaborar com a constituição de outro mundo possível. Vivo. Trata-se de alfabecantar.
(Alexandre Herbetta)

 

Crianças em atividades pedagógicas
Escola 19 de Abril da aldeia Manoel Alves
Pequeno/ Terra Indígena Kraholândia.
Autora: Taís Pocuhto

MATERIAL DIDÁTICO

EDUCAÇÃO INTERCULTURAL

Escolas Indígenas

Ensinando e aprendendo

EDUCAÇÃO MUSICAL E AMBIENTAL
Os materiais apresentados na coleção seguem processo de elaboração de novas práticas pedagógicas musicais e de reformulações curriculares efetivadas por professoras e professores Krahô e Apinajé, povos originários Timbira do Brasil Central. Os Timbira, falantes de línguas Jê, são constituídos, ainda, pelas populações Krikati, Gavião Pykobjê, Gavião Parkatejê, Canela Apanjekra e Canela Ramkokamekra, e vivem em seus territórios entre o nordeste do Tocantins e o sul do Maranhão, estendendo-se até o Pará.

Nesta ampla região predomina o bioma Cerrado, altamente ameaçado pelo desenvolvimentismo predatório do capitalismo brasileiro, tema central da coleção, cujo subtítulo é “cantando o Cerrado vivo”.

No processo de formação acadêmica, as professoras e os professores imaginam e praticam um novo mundo possível, baseado em relações mais simétricas e em práticas mais sustentáveis. Um mundo, por exemplo, pautado no alfabecantar.

A noção e a prática da sustentabilidade é central na coleção e se dá por meio de pedagogias contextualizadas nas demandas contemporâneas dos povos originários e potencializando culturas vivas, pautadas, por exemplo, nas diversas musicalidades.

Júlio Kamer criou para expressar tal situação, o conceito alfabecantar, título desta coleção, apontando para a importância da música Apinajé. Para o autor, alfabecantar “indica a importância de efetivarmos um letramento do mundo musical, no qual se aprende pelo e no canto sobre a natureza indígena. Por meio da musicalidade temos acesso ao conhecimento da natureza” (2019, p.127). Nesta direção, propõe reflexões inovadoras e importantes sobre possibilidades de letramento e sobre a educação ambiental. Para Kamer, “a musicalidade panhi apresenta e produz um Cerrado vivo e sustentável. Ela é essencial no processo de formação escolar, pois pela musicalidade panhi se dá um complexo processo de letramento de mundo (2019, p. 131).

Esta coleção trata, então, tanto de educação ambiental quanto de educação musical. A musicalidade Timbira sustenta o mundo.
(Alexandre Herbetta)

Planos de Aula

Fluxo contínuo

Práticas Pedagógicas

Fluxo contínuo

Crianças em atividades pedagógicas
Escola 19 de Abril da aldeia Manoel Alves
Pequeno/ Terra Indígena Kraholândia.
Autora: Taís Pocuhto

ESCRITA E OUTROS MODOS DE EXPRESSÃO

Os processos de alfabetização e letramento pensados normalmente no mundo acadêmico contemporâneo acabam relacionando-se exclusivamente à escrita. Tais conceitos, na maioria das vezes, descontextualizam dinâmicas presentes em outras epistemologias, relacionadas ao entendimento de códigos fundamentais para a vida, como a musicalidade e hierarquizam processos distintos de entendimento de mundo. Subalternizam, ainda, populações que não possuem convencionalmente a escrita em seus processos tradicionais de relação com o universo. A escrita pode ser, assim, um mecanismo que divide e inferioriza determinadas populações. A escrita pode ser, em outros casos, um meio de expressão que atua para fortalecer a oralidade (Pimentel, 2019).

De toda forma a escrita não deve ser entendida hierarquicamente como um código superior, nem se deve manter e reificar a dicotomia escrita e oralidade, o que configuraria um processo de violência epistêmica.

A noção de alfabecantar, base desta coleção, aponta para a possibilidade de multiletramentos, deslocando-o moderadamente de sua relação com a escrita, que pode também ser utilizada nas atividades e processos formativos apresentados.

As autoras e os autores presentes na coleção Alfabecantar expandem e aprofundam o processo vinculado à noção de letramento, apontado acima. Para além de seu caráter social e múltiplo, pensam o letramento por meio de seu viés epistemológico e político. A música não é, então, apenas um recurso pedagógico, um instrumento que auxilia a compreensão de algum outro conteúdo. Ela é importante em si, para a constituição dos sujeitos e para a sustentabilidade do do mundo. Ela não é vista, igualmente, apenas como forma e significado musical, nem tampouco apenas como oralidade ou treinamento da escrita.
(Alexandre Herbetta)

Pin It on Pinterest

Compartilhar